Abdome Agudo Obstrutivo - Grupo Surgical

Conheça sobre

Abdome Agudo Obstrutivo

 

Conceito

Existência de uma barreira física (anatômica) ou metabólica que dificulta ou impede a passagem e progressão do conteúdo do intestino. Representa uma das afecções abdominais agudas mais frequentes, associando-se a taxas elevadas de morbidade e de mortalidade.

 

Classificação

  1. Parcial (suboclusão) e total (obstrução)
  2. Mecânica (obliteração da luz) e metábolica (distúrbio funcional da contratilidade e peristalse dos intestinos)
  3. Simples (sem comprometimento de alça) e estrangulada (isquemia e necrose de alça intestinal)
Classificação da Obstrução Intestinal Segundo Raio e Simonsen
Obstrução mecânica Estenoses (congênitas e adquiridas, vascular, pós radioterapia e neoplásicas)
Preenchimento da luz (parasitaria, fecaloma, corpo estranho, calculo biliar)
Compressão extrínseca (aderências ou bridas e hérnias)
Obstrução com sofrimento de alça Causa vascular primária (isquemia mesentérica, trombose mesentérica)
Causa vascular secundária (torção dos vasos por hernias, bridas, volvo)
Obstrução metabólica ou funcional Causa local (peritonite, pós-operatorio de cirurgias abdominais, Síndrome de Ogilvie)
Causa sistêmica (sepse, diabetes descompensado, distúrbios hidro-eletrolíticos, acamado crônico)
 

Sinais e Sintomas

Dor abdominal em cólica, distensão e vômitos. Os vômitos tendem a ser precoces quanto mais alta for a obstrução e de aspecto esverdeado (bilioso), acomete o intesitno proximal (jejuno e íleo proximal) e tardios, de aspecto fecalóide (amarronzado e fétido) na obstruções baixas (íleo terminal e cólons). Aumento dos ruídos hidroaéreos (ruídos do intestino) no início do quadro, pode significar peristalse de luta, ou a tentativa de vencer o obstáculo.

Obstruções completas geralmente cursam com obstipação e parada de eliminação de flatus e fezes.

Obstruções parciais podem ocorrer com diarreia paradoxal (intermitente), que se justifica por hiperproliferação bacteriana ocasionada por estase de bolo alimentar no intestino e descarga intestinal.

Em casos de estrangulamento da alça intestinal sinais sistêmicos de infecção como febre, taquicardia, hipotensão e sangramento intestinal podem estar presentes e denotam gravidade com provável necessidade de cirurgia de emergência.

 

Diagnóstico

Associado aos sintomas de dor, distenção abdominal e dor a palpação. O primeiro exame complementar de imagem deve ser a radiografia simples de abdome deitado e em pé e de tórax.

Obstruções de intestino delgado a distensão tende a ocupar uma posição mais central. Presença de níveis hidroáereos, bem como ausência de ar no colon. Haustrações completas conferem imagem de “empilhamento de moedas”.

Obstrução de intestino grosso (cólon) geralmente a distensão ocupa a periferia da radiografia, as haustrações ocupam apenas parte do diâmetro da parede. Ausência de gás na ampola retal pode ocorrer na obstrução completa.

A tomografia de abdome deve ser realizada nos pacientes estáveis, para auxiliar na determinação da causa da obstrução e estimar a localização, particularmente em casos que a história clínica, sugerem neoplasia, como emagrecimento e antecedente de cirurgia por cancêr.

 

Causas mais comuns segundo perfil do paciente e local da obstrução

Causas mais comuns de obstrução intestinal
Paciente Idoso
  1. Neoplasia colorretal
  2. Íleo biliar
  3. Estenose por doença diverticular
  4. Estenose por colite isquêmica
Paciente com cirurgia abdominal prévia
  1. Brida / aderência
  2. Hérnia interna
  3. Hérnias de parede abdominal (incisional)
Obstrução alta
  1. Brida / aderência
  2. Hérnia interna
  3. Tumor de delgado
  4. Bolo de verminose / benzoar
Obstrução baixa
  1. Neoplasia colorretal
  2. Volvo de sigmóide / megacolon
  3. Estenose de íleo terminal – Doença Inflamátoria Intestinal (Crohn)
  4. Intussuscepção
 

Tratamento

Requer habitualmente cirurgia, a preferência nesses casos é a laparotomia exploradora, embora a videolaparoscopia venha adquirindo cada vez mais espaço no diagnóstico e, por vezes no tratamento das patologias obstrutivas.

Existe situações que podem ser resolvidas com o tratamento clínico com descompressão do trato gastrointestinal como sonda nasogastrica e estímulo via retal com clister, enema ou retossigmoidoscopia; como nos quadros de verminoses, aderências, fecalomas, intussuscepção e volvo. Em todo tratamento clínico, o paciente deve permanecer sob vigilância rigorosa, mediante avaliação clínica e radiológica periódica, podendo ser necessário cirurgia em evoluções desfavoráveis.

A cirurgia depende da causa e da presença ou não de sofrimento de alça, podendo ser necessário ressecção de segmento de alças intestinais com reconstrução do trânsito intestinal (anastomose) ou colostomias dependendo da situação clínica do paciente.

  >Dra Cecilia Mendes,
Prof. Dr. Bruno M Pereira

Fonte:

  1. SALLUM, E.A. Abdome Agudo Obstrutivo. In: Clínica Cirúrgica. São Paulo.Ed. Manole. 2008. P: 1071 - 1078
error: Conteúdo protegido